quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Medalha de diamante!

Não satisfeito em ganhar cinco medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres (duas de ouro, duas de prata e uma de bronze), o nadador estadunidense Ryan Lochte ganhou da Jacob & Co. um relógio de pulso coberto por 300 diamantes avaliado em R$1 milhão!!! Teve o anelzinho também, mas quem se importa!



E hoje começam os Jogos Paraolímpicos, hein!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Rio tem mais de 400 relógios em ruas e fachadas

Transcrevo aqui matéria de ontem do jornal O Globo, na editoria Rio, de Selma Schmidt, sobre os relógios espalhados pelas ruas da cidade. Lembro que o da Glória já apareceu no Por Aí:
Alguns ‘senhores do tempo’, como o da Central e o da Glória, são ajustados e consertados por uma só pessoa

Alguns estão parados no tempo. Outros funcionam, embora nem sempre com precisão suíça. Antigos ou modernos, o Rio tem mais de 400 relógios em áreas públicas e fachadas de prédios. Boa parte deles requer cuidados especiais, como o do Largo da Glória, de 1905, movido a corda, e o da Central do Brasil, de 1943, com acionamento eletromecânico.

Ajustar e fazer a manutenção desses dois relógios são tarefas exclusivas: só um relojoeiro mexe no da Glória, enquanto um mecânico que já foi paraquedista é responsável por tarefas como a substituição de lâmpadas e pela lubrificação dos eixos dos ponteiros do da Central. Funcionário da Secretaria de Segurança Pública, Luciano Luiz de Moraes Oliveira é o faz tudo do relógio da Central desde 2004. De seis em seis meses, quando é preciso trocar as lâmpadas fluorescentes, ele encara mais de cem metros de altura, numa cadeira especial. Para fazer a manutenção dos ponteiros, Oliveira, de 40 anos e 96 quilos, seguro por cabos de aço, se posiciona sobre os dois gigantes de ferro galvanizado, que pesam 210 e 178 quilos. Os trabalhos externos são feitos das 8h às13h, para evitar os ventos mais fortes.

— Não tenho medo algum de ficar pendurado para fazer os reparos no relógio. Tenho medo, sim, é de andar de avião — revela Oliveira.

Para se chegar ao centro de controle do relógio de quatro faces da Central — hoje sob a responsabilidade da Secretaria de Segurança — é preciso pegar três elevadores: até o quarto, o 19º e o 24º andares. O mecanismo do relógio é original, mas o motor e os comandos já foram substituídos.

Também com quatro faces, o relógio da Glória não é apenas o mais antigo do Rio. Para Vera Dias, gerente de Monumentos e Chafarizes do município, ele é ainda o mais valioso: "A sua engrenagem é alemã e toda original".

Praça Quinze: relógio parado

Há 14 anos, o relojoeiro José Mendes Neto cuida da peça, que foi recuperada em 2011. Toda semana é preciso dar corda. Mendes mantém no carro as chaves usadas para dar corda e a que abre a porta da engrenagem do relógio:

— Preciso estar preparado para correr em casos de emergência. Quando o relógio para, os vizinhos me telefonam logo.

Entre os que não cumprem a função básica de dar a hora, o relógio do alto da Estação Praça Quinze é de 1906, e está maltratado e sujo. Cinco anos mais velho, o também histórico relógio da fachada do 4º BPM (São Cristóvão) não tem prazo para voltar a informar a hora aos que passam pela Rua Francisco Eugênio.

Outro “senhor do tempo” parado é o do Largo da Carioca. Mas o secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osório, tem uma boa notícia: depois de oito meses de um processo de adoção pelo BNDES, sem sucesso, a prefeitura resolveu licitar o serviço de revitalização do maquinário, orçado em R$400 mil. O relógio será desmontado e terá a substituição de peças em ferro corroídas.

Peça da antiga Mesbla virou marco do Centro

Um dos marcos visuais do Centro, o relógio da antiga Mesbla funciona, mas não é o mesmo de quando foi instalado na torre do edifício, em 1955. O eletricista Antônio Abreu, que ajustou o relógio de 1964 até a falência da Mesbla em 1999, recorda que, do alto da torre, bandeirolas coloridas (brancas, azuis e vermelhas) anunciavam a previsçao do tempo. Relíquias preciosas — o controle-mestre francês Brillié e o carrilhão, que tocava músicas a cada 15 minutos — estão guardadas na sobreloja das Lojas Americanas, que ocuparam o prédio no Passeio.

— O controle-mestre acertava todos os relógios da Mesbla — conta Antônio.

A torre do relógio é mantida pela empresa Contax. Para chegar até a máquina, é preciso pegar um elevador até o 11º andar, cruzat o terraço, entrar no prédio da torre e subir 151 degraus. Mais 45 degraus, chega-se ao local onde estão o guindaste e a caçamba usados, no passado, para fazer reparos em lâmpadas e ponteiros.

— Hoje o trabalho é feito por alpinistas — conta Reginaldo Ferreira de Souza, que foi funcionário da Mesbla.

Entre os relógios de versão moderna, a Secretaria Municipal de Conservação contabiliza 377 aparelhos digitais espalhados pela cidade: 170 na Zona Sul e no Centro, 74 na Zona Norte e 133 na Barra e na Zona Oeste. Outros 23 têm de ser instalados pelas empresas Adshel e Cemusa, que, em troca de publicidade, colocam e mantém os digitais.

Um relógio de cara antiga num prédio pós-moderno, o RB1, na Avenida Rio Branco, tem algarismos romanos. O quatro é representado na forma IIII, prieira versão romana do número. De hora em hora, de segunda a sexta-feira, ele toca músicas como Cidade Maravilhosa e Cisne Branco. A administradora Ângela Roda fez uma pesquisa e descobriu que o relógio do RB1 é o terceiro em diâmetro do Rio e maior que o inglês Big Ben:

— Ele tem 7,8 metros de diâmetro, atrás do da Central (dez metros em cada face) e do da antiga Mesbla (nove metros). O Big Ben tem 7,5 metros.

Muito legal essa matéria que documenta essas maravilhas do tempo que estão em nossas esquinas. Vou ver se ainda consigo registrar os outros como fiz com o da Glória.

domingo, 26 de agosto de 2012

ARTE: Bolt!


My time, arte digital de Alberto Gomez para aquele que é dono do tempo.

E a partir de hoje, começam os Jogos Paraolímpicos de Londres! Não percam porque as histórias são muito mais impressionantes!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Coleção de relógios históricos


Reúna uma coleção exclusiva de relógios de bolso e realize uma autêntica viagem no tempo conhecendo grandes personagens da História. Peças únicas desenhadas exclusivamente para o colecionador de relógios.

Esse é o slogan da coleção de jornaleiro Relógios Históricos, lançada esta semana pela Planeta DeAgostini. São 50 edições quinzenais!

Cada relógio acompanha um fascículo que explica detalhadamente os materiais, as qualidades estéticas e os elementos peculiares que o transformam neste objeto singular que encanta e exerce um fascínio que as palavras dificilmente conseguem descrever. Entre os modelos da coleção, há relógios com e sem tampa, com corrente e peças diferenciadas, com ponteiros que giram para a esquerda (levogiro) ou com mostrador de 24 horas.

Grandes personalidades são homenageadas nesta coleção: Julio Verne, Voltaire, Goethe, Foucalt, Darwin, Luis XVI, Napoleão, entre outros. Nos fascículos também foram editadas informações sobre vida e obra dos protagonistas mais notáveis da história, explicando o contexto histórico em que se situa cada relógio, sempre com relação à evolução da sociedade, aos avanços técnicos e às correntes artísticas da época.


Durante a coleção, será possível adquirir uma caixa decorativa especialmente desenhada para guardar e expor os relógios da coleção, com gavetas exclusivas com proteção de vidro e tecido.

Post NÃO patrocinado!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Atrasado em qualquer lugar

Vocês já viram aqui que Whatever, I'm late anyway é uma ideia no mundo dos relógios. Achei que eram só relógios de parede, mas agora tem de pulso pra você ser atrasado em qualquer lugar.


Parece que custa R$56 + taxas em um site ucraniano.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

União dos dois mundos

Alp Germaner gosta mesmo de pensar em relógios. Este G Shock une digital e analógico de forma bem clean e esportiva.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Criatividade muda

Steve Wozniac, co-fundador da Apple, disse que o Mutewatch é o relógio mais criativo que ele tem.


Projetado para ser simples e intuitivo, só precisa de um toque na superfície reta de sua face para o display digital acender e alternar entre relógio, alarme e cronômetro. O display é inteligente: possui um sensor de luz para adaptar-se à luz ambiente e fornecer o brilho ideal e um sensor de movimento que registra seus movimentos e equilibra as vibrações.

 

Além disso, é à prova d'água (corpo de silicone) até 100 metros de profundidade e tem conexão USB por cabo para recarregar e atualizar.

Realmente bem interessante.

domingo, 12 de agosto de 2012

Cíclope do tempo

O Period Clock, do designer suíço Tamer Koseli, é minimalista. São três círculos, um dentro do outro que determinam a leitura do tempo.


O maior é sua forma. Em seguida, vem o círculo das horas em uma cor contrastada com o fundo do relógio. E dentro dele, um círculo pontual que marca os minutos.


E ainda tem um efeitinho noturno fosforescente...


Não parece um ciclope? Um olho que fica permanentemente te olhando?

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Dois lados do mesmo relógio

O estúdio russo Art Lebedev conceituou mais um relógio interessante: o Sektorus Watch.


Com corpo de alumínio, o relógio tem uma pulseira de silicone que entra pelo mostrador, dividindo-o em dois: esquerda para horas e direita para minutos e segundos. O dia fica marcado em um um círculo.



Só não entendi o seguinte: 0-12 nas horas e 0-60 nos minutos, não significam a mesma coisa? Nas horas ainda dá pra diferenciar entre meio-dia e meia-noite, mas nos minutos não entendo. Além disso, como será que o ponteiro volta pro seu início?

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Concreto

O designer russo Dzmitry Samal gosta mesmo de fazer óculos, mas agora resolveu fazer relógios, que - para ele - "é uma jóia masculina que deve refletir a personalidade e a força de seu dono". Decidiu usar concreto para o corpo do acessório, acreditando em sua robutez e nobreza que constrói grandes cidades.


De manufatura francesa, mecanismo suíço e ponteiros que lembram arranha-céus, o Concrete Watch tem várias lapidações em grafismos diferente com uma pulseira emborrachada.


Cada um tem uma edição de 100 peças e custam entre 980 e 1240 euros.

sábado, 4 de agosto de 2012

Numa galáxia nem tão distante...

Parece que acordar com o Darth Vader no ouvido fez sucesso. Agora tem os Star Wars Talking Alarms nas versões Stormtrooper, Chewbacca e C-3PO com R2-D2.



Custa £19,99 + taxas cada um, na Firebox. E ainda tem a esfera de treinamento, ou seja, George Lucas sabe ganhar dinheiro!